[Resenha] Outro Dia, de David Levithan

Um dos mais inovadores autores de livros jovem adulto e o primeiro a emplacar uma trama gay na lista do New York Times, David Levithan retoma a sua mais emblemática trama em "Outro Dia". Aqui, a já celebrada — com várias resenhas elogiosas — história de "Todo Dia" é mostrada sob o ponto de vista de Rhiannon. A jovem, presa em um relacionamento abusivo, conhece A, por quem se apaixona. Só que A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Mas embarcar nessa paixão também traz desafios para Rhiannon. Todos eles mostrados aqui.

Ano: 2016 / Páginas: 326
Idioma: português 
Editora: Galera Record

No ultimo post eu disse o que estava achando até a página cem, mas hoje eu vou contar todos os detalhes que se seguiram na leitura de Outro Dia. Espero que gostem e adicionem mais um livro à lista depois do post!


Outro Dia conta a mesma história de Todo dia, portanto eu não diria que é uma continuação, mas uma leitura extra/complementar. Pra quem ainda não leu o primeiro e não sabe do que se trata, A acorda todos os dias num novo corpo e vive no lugar da pessoa ocupada até a meia-noite. Isso acontece desde sempre e ele evita ao máximo interferir na vida de quem o hospeda. As vezes não é tão simples assim não se interferir: depois de passar um dia com Rhiannon, no corpo de seu namorado, A não consegue (quer) ignorar tudo o que sentiu e viveu. É aí que a história se complica, já que ele pode acordar em outro país no dia seguinte (caso o corpo que ele habita resolva ir).
Não tinha a intensão de me apaixonar por você. Mas aconteceu. E não posso apagar. Não posso ignorar. Tenho vivido a vida inteira assim, mas você é a unica coisa que me fez desejar não ser mais assim.

O livro é bem no estilo de Levithan, com descobertas sobre o amor, personagens gays e representatividade. Em Todo Dia/Outro Dia temos ainda um personagem que não se identifica com um gênero especifico, se considerarmos que A se identifica com o corpo que habita e gêneros não influenciam. 

Como agora temos a visão de Rihannon sobre tudo o que aconteceu desde o primeiro momento que ficaram juntos, nosso conhecimento sobre os detalhes se amplia muito. A sinopse já nos lembra sobre o relacionamento abusivo que a narradora vive, mas não avisa o quão mais doloroso é ver como ela e os amigos lidam com isso. Não é mais a visão de um garoto apaixonado [que pode distorcer um pouco ]sobre o atual namorado da pessoa amada, é Riahnnon que relata as vezes em que fica com medo de falar alguma coisa que gere briga, que acha que eles se entendem maravilhosamente e ele nem bate nela (o que aparece como a prova de que está tudo bem, em sua cabeça)
Cala a boca, cala a boca, cala a boca, fico dizendo a mim mesma. Por que você está tocando neste assunto?
É quase impossível não para pra pensar um pouco sobre o amor. Sobre que sacrifícios são validos em nome dele, se gênero importa de verdade. Se pra A, que lida com isso desde sempre já é complexo, não podemos exigir que Rhiannon saiba lidar, que não se sinta insegura e cheia de duvidas. Mas também vemos uma personagem crescer, descobrir que merece muito mais amor do que acredita e não merece viver um amor de comodismo. 

Recomendo Outro Dia para quem procura uma leitura que oscila entre a leveza e a seriedade, que consegue ser real apesar de características fantasiosas. À quem já leu alguma obra do autor ou deseja conhecê-lo e à quem quer romance, crescimento e ver fé e coragem no amor, essa vai ser uma leitura gratificante. 

⋆ ⋆ ⋆  Todas às estrelas do mundo pra esse livro. ⋆ ⋆ ⋆  

2 comentários:

  1. Oie,

    Eu sou mega curiosa pra conhecer a Todo Dia, e cada vez que leio resenhas me pergunto porque ainda não o li! Se eu já quero Todo Dia, Outro Dia já está na minha lista também! Conheço a escrita do autor, por causa de outro livro que eu li e sei que irei gostar muito da leitura!

    Mayla

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Ainda não li Todo Dia, mas tenho uma curiosidade enorme, pois é um livro tão bem recomendado e elogiado. Só li um livro do Levithan em parceria com John Green e só, preciso conhecer mais sus histórias. Adorei a capa desse livro, linda como a de Todo dia.

    Beijos!
    http://lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br//

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!